Teatro no NAVE/CEJLL - 2010

Disciplina
TEATRO
"Ninguém poderá jamais aperfeiçoar-se, se não tiver o mundo
como mestre. A experiência se adquire na prática."
William Shakespeare
Espaço para os alunos do NAVE acessarem os conteúdos específicos de teatro trabalhados nas aulas durante o ano letivo de 2010.

Turma 1001 Turma 1002 Turma 1003 Turma 1004

Turma 2001 Turma 2002 Turma 2003 Turma 2004

Turma 3001 Turma 3002 Turma 3003 Turma 3004

Aos alunos e seus responsáveis: Dúvidas sobre os conteúdos de teatro ou sobre os procedimentos nas aulas, entre em contato comigo, deixando recado na postagem, na escola ou pelo e-mail lindomarteatrocejll@gmail.com

Lisístrata: A Guerra do Sexo

Aristófanes
Gênio da comédia grega


Lisístrata: a guerra do sexo é uma das peças de Aristófanes antibélicas. Um dos motivos de sua criação foi a irritação de Aristófanes com a guerra que enfraquecia Atenas e Esparta, bem como com a morte inútil de muitos homens. Ele mostra em sua obra um protesto irreverente, abusando do deboche e da licenciosidade. A ação da comédia, bastante conhecida, desenvolve-se a partir de um plano idealizado por Lisístrata, personagem central, para acabar com as desgraças da Grécia. Ela simplesmente convence as mulheres de Atenas e de Esparta a não mais dormirem com seus maridos, a menos que assinem um tratado de paz. A situação evidentemente gera desdobramentos cômicos, que Aristófanes explora com inegável competência. Vale mencionar, por exemplo, a excitação de algumas mulheres que não suportam o jejum e tentam furar a greve, ou ainda a cena que Mirrina alimenta aos poucos a excitação do marido Cinésia e o abandona quando estão prestes a consumar o ato sexual. Um dos pontos altos da peça, no entanto, esta na carregada preciosidade das cenas e dos diálogos em que os homens surgem com os falos eretos, desesperados com a incômoda situação. Seguramente não há, na literatura teatral, peça em que os senhores das guerras de todos os tempos tenham sido satirizados de maneira mais contundente.
Lisístrata, na verdade é uma sátira de cunho político, inspirada pelo profundo pessimismo deste importante comediógrafo grego, em relação as instituições e ao próprio ser humano. Em termos mais precisos Aristófanes desencantou-se principalmente com a deteriorização de Atenas, com a corrupção que corroeu a democracia grega após a morte de Péricles e com as atitudes de políticos inescrupulosos.
video video

Fonte: FARIA, João Roberto. O teatro na estante. São Paulo: Atelier Editorial, 1998.

Estética Videoclipe

Ousadia

A televisão é o maior veículo de comunicação audiovisual das classes populares, e esse tipo de mídia possui uma linguagem específica capaz de constituir novos discursos, conteúdos e estéticas. Assim vem sendo desde a década de oitenta com a MTV.
A emissora da música, a MTV, nasceu nos EUA no dia 1° de agosto de 1981, sendo o Video "Killed the radio star”, da banda The Buggles (Inglaterra), o primeiro videoclipe exibido. Ironia ou não, este vídeo clipe argumenta sobre a decadência de um cantor de rádio devido o aparecimento da televisão.
A revolucionária proposta da MTV veio proporcionar aos jovens apreciar o visual dos seus ídolos, influenciando gerações, fazendo surgir uma estética própria, que até hoje está contida nos mais diferentes segmentos da sociedade.
Muitos atletas e celebridades têm suas imagens projetadas pela MTV, mas foram cantores como Madonna e Michael Jackson, que alcançaram status de ícones da música pop pela emissora. A polêmica performance de “Like a virgin”, de Madonna, em 1984, e o seu beijo, latinamente acalorado, com Britney Spears, em 2003, também marcaram história pela MTV.
No Brasil, a MTV possui características bem local, incorporando inclusive formatos de programas De uma grade específica da “TV aberta”. Mas alguns momentos fugiram à regra da mesmice dos programas caretões, bem à “estética MTV”, quando presenciamos a apresentação de piores videoclipes, com Marcos Mion, os beijos Gay, no “Fica Comigo”, os improvisos de “Quinta Categoria”, dentre outros bem interessantes.
O que é VideoClipe?
O videoclipe caracteriza-se por seu diferencial na forma e no conteúdo, com mixagem de diferentes linguagens, passando pela narrativa clássica do cinema, pela animação e pela linguagem do videogame. A utilização de música eletrônica, inteira ou fragmentada, é própria desta estética. A sua montagem costuma abusar de cortes sucessivos e inserção de imagens estáticas, às vezes sobrepostas, e diversos grafismos. O efeito de “colagem” de planos, quando transferidos de um a outro, provocam o efeito de (des) continuidade na seqüência de imagens.

Pesquisar este blog